Dia Europeu do Antibiótico – 18 de Novembro

Os antibióticos são medicamentos utilizados para tratar infecções causadas por bactérias. Existem diversos antibióticos com características diferentes, pelo que a escolha de qual o fármaco a utilizar depende da bactéria causadora e do tipo de infecção em questão, entre outros factores. É extremamente importante que exista uma escolha criteriosa das situações que necessitam de tratamento com antibiótico e que este seja tomado de forma correcta. A título de exemplo, patologias tais como gripes e constipações não são combatidas com antibióticos pois são causadas por vírus.

Nas últimas décadas tem surgido um problema de saúde a nível global resultante da má utilização destes fármacos: a resistência a antibióticos. Esta é a capacidade de as bactérias combaterem a acção de um antibiótico e resistirem ao seu efeito, sendo que o medicamento não é eficaz e a infecção não é tratada. Existem já algumas doenças cada vez mais difíceis de tratar devido a este fenómeno, o que pode resultar em internamentos hospitalares mais prolongados, custos em saúde mais elevados e maior mortalidade. Na União Europeia as infecções por bactérias multirresistentes atingem 670 mil pessoas/ano, mais do que o VIH, tuberculose e gripe. Segundo uma estimativa da OCDE – Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, divulgada há dois anos, em Portugal poderiam morrer até 2050 mais de 40 mil pessoas na sequência de infeções por bactérias resistentes a antibióticos, apontando para um valor próximo dos 1.100/ano.

Está nas mãos de todos nós travar esta problemática, evitando ou reduzindo as condições que favorecem o desenvolvimento de resistências. Seguem-se alguns conselhos importantes:

– O antibiótico deve ser prescrito por um médico;

– Não deve forçar o seu médico a prescrever-lhe um antibiótico, essa medicação pode não estar indicada para o seu problema de saúde;

– Deve tomá-lo durante o número de dias indicado e respeitando o intervalo de horas, mesmo que se sinta melhor antes do final do tratamento;

– Não deve utilizar o antibiótico que sobrou de outro tratamento ou que alguém lhe cedeu, pois pode não ser adequado a si ou à sua infecção;

– Deve informar o seu médico acerca da sua medicação habitual (se tomar) e caso tenha historial de alergias a antibióticos;

– É importante ter boas práticas de higiene para prevenir infecções, tais como lavar regularmente as mãos, cumprir etiqueta respiratória e preparar e refrigerar os alimentos de forma adequada.

Bibliografia:

https://www.ordemfarmaceuticos.pt/fotos/publicacoes/cim_e_publicacoes_uso_responsavel_de_antibioticos_20333640815a0eafbb3b066.pdf
https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/antibiotic-resistance
https://www.sns.gov.pt/noticias/2021/02/08/antibioticos-nao-tome-por-tudo-e-por-nada/https://www.dgs.pt/em-destaque/nbspdirecao-geral-da-saude-lanca-campanha-para-o-uso-seguro-dos-antibioticos.aspx

Trabalho elaborado por:
Sara Pereira
Interna de Formação Específica em MGF
USF Serra da Lousã

DIA 6 DE NOVEMBRO – CONSCIENCIALIZAÇÃO DO STRESS

Dia 6 de Novembro assinala-se o Dia da Consciencialização do Stress, tendo como objetivo sensibilizar as pessoas para a importância do bem-estar e da partilha de estratégias no combate ao stress ás organizações e ao indivíduo. Está constantemente preocupado? Não consegue desligar do trabalho? Não sabe como relaxar ou desfrutar dos momentos de descontração? Não está sozinho, e é para isso que se assinala este dia.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou o stress como “a epidemia de saúde do século XXI”, afetando cada vez mais indivíduos a um nível global, com agravamento neste período pandémico. Apesar de invisível, o stress tem um peso elevado, podendo levar a complicações de saúde, como o declínio do sistema imunitário, o aumenta da pressão arterial e da suscetibilidade a doenças cardíacas.

De recordar que o “burnout” (stress profissional) entrou na nova classificação internacional de doenças da OMS, sendo definido como “um sentimento de exaustão, cinismo ou sentimentos negativistas ligados ao trabalho e eficácia profissional reduzida”.   Desta forma, é importante que implementemos estratégias para lidar com o stress, priorizando a nossa saúde individual, o que inclui o bem-estar mental. Se se sente no limite das suas capacidades, num estado de descontrolo, não perca mais tempo e procure ajuda médica.

De seguida apresento algumas recomendações, que são conselhos genéricos e abrangentes que poderá seguir no seu dia-à-dia:

  • Inspirar e expirar profundamente durante alguns segundos;
  • Quando se sentir triste, ansioso, confuso contacte os seus amigos e familiares – falar com pessoas em quem confia pode ajudar;
  • Recorra a capacidades e competências que já o/a ajudaram no passado a lidar com situações adversas;
  • Fazer pausas ao longo do dia de trabalho;
  • Não acumular demasiado trabalho – pedir ajuda sempre que necessário;
  • Apontar todos os compromissos e tarefas, para não estar a sobrecarregar o cérebro com esse tipo de informação;
  • Trabalhar num espaço limpo e organizado, com objetos que o façam ter recordações felizes;
  • Mantenha um estilo de vida saudável – alimentação equilibrada, períodos de sono e descanso adequados, exercício físico com regularidade;
  • Não fume, não consuma álcool ou drogas na tentativa de lidar com as suas emoções;
  • Ser positivo, e não começar de imediato a imaginar os piores cenários possíveis;
  • Fazer meditação;
  • Ouvir música.

Artigo Elaborado por:
Andreia Pereira
Interna de Formação Específica em MGF
USF Serra da Lousã